PM do Goiás emite nota sobre policiais presos acusados de chacina.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

     Delegado Hellyton Carvalho, da Delegacia de Investigação de Homicídios (DIH) de Goiânia (Foto: André Saddi)

Em resposta ao pedido de disponibilização de imagens dos policiais presos em decorrência da “Operação Isadora”, desencadeada pela Polícia Civil, vimos, pelo presente, informar que:

1. Os Militares Estaduais (Policiais e Bombeiros) formam uma classe especial de servidores públicos, submetidos a uma legislação

 específica, extremamente rígida e diferenciada, que lhes impõe uma série de obrigações e prerrogativas;


2. O Comando da Corporação abstêm-se de divulgar nomes ou imagens de policiais suspeitos de participação em crimes ou desvios de conduta, até que se promova a finalização dos respectivos procedimentos administrativos ou o trânsito em julgado das ações penais pertinentes, para salvaguarda dos direitos e prerrogativas dos acusados e observação dos princípios constitucionais da inocência e do devido processo legal;

3. Ainda, calha ressaltar que tal medida visa proteger os interesses da administração pública e da sociedade, evitando a contaminação dos atos administrativos desencadeados para escorreita apuração dos fatos e devida atribuição de responsabilidades. Em outras palavras, é importante para a Polícia Militar, que será responsável por processar e julgar os acusados no âmbito administrativo, evitar possíveis vícios decorrentes da inobservância de direitos e prerrogativas dos acusados ou com a precipitação de juízos de valor;

4. Por certo, quando os nomes e imagens são fornecidos por outras fontes, a Polícia Militar poderá atuar confirmando ou não a procedência das informações obtidas, pois estará agindo em defesa dos interesses da administração pública evitando a veiculação de informações distorcidas;

5. Não menos importante tem sido a participação das entidades representativas de classe dos militares estaduais, que tem atuado incansavelmente na defesa dos direitos humanos e demais interesses e prerrogativas de seus associados;

6. Em relação aos acusados presos em cumprimento aos Mandados de Prisão Temporária, temos:

a) 2º Sargento Divino Romez DINIZ – lotado no 15º CRPM (Comando de Policiamento Rodoviário) – responde a ação penal por homicídio simples e lesão corporal leve;

b) Cabo Ademar FIGUEREDO Aguiar Filho – lotado na Base Administrativa da PM – responde a ação penal por homicídio simples;

c) Soldado Ozires Fernando de Melo – lotado na 37ª CIPM em Goiânia (Jardim Goiás e adjacências) – responde a ação penal homicídio simples;

7. Em relação aos Mandados de Busca e Apreensão, temos:

a) Subtenente FRITZ Agapito Figueiredo – lotado no COPOM (Centro de Operações Policiais) do 1º CRPM (Comando do Policiamento da Capital);

b) 1º Sargento Djalma Gomes DA SILVA – lotado na Academia de Polícia Militar;

c) Soldado ALESSANDRO Rosa dos Santos – lotado no 15º CRPM (Comando de Policiamento Rodoviário);

Por fim, a Polícia Militar do Estado de Goiás vem a público reafirmar que não compactua com qualquer tipo de crime ou desvio de conduta e que está participando ativamente das investigações desencadeadas para esclarecimento do caso. Assim, os serviços de inteligência e a Corregedoria da PM estarão desenvolvendo ações, em conjunto com a Polícia Civil, para que todas as denúncias recebidas sejam investigadas com a celeridade e transparência necessárias e logo que as investigações produzam provas suficientes da materialidade e autoria dos delitos, a Policia Militar estará adotando tomas as medidas pertinentes para aplicação da justiça.

Obrigado pela atenção e um grande abraço!

Anésio Barbosa da Cruz Júnior – Tenente Coronel QOPM

Chefe da Assessoria de Comunicação Social da PMGO


Entenda o Caso:

Foram apresentados, na tarde desta quarta-feira (28/11), três policiais militares suspeitos de participar da chacina no Jardim Olímpico, em Aparecida Goiânia (GO), registrada em novembro de 2011. O crime resultou na morte de seis pessoas, sendo uma criança de apenas quatro anos. As vítimas foram executadas a tiros, principalmente na cabeça.


Os suspeitos, que estão presos em um presídio militar, são: o sargento Divino Romes Diniz, o cabo Ademá Figueiredo Aguiar Filho e o soldado Osiris Fernando de Melo.

Os policiais foram presos durante a Operação Isadora, deflagrada na madrugada desta quarta-feira (28/11), e que conta com o apoio de pelo menos 13 delegados. Um deles, o delegado Hellyton Carvalho, explica que a ação foi denominada Isadora por se tratar do nome da criança de quatro anos executada na chacina.

De acordo com ele, as investigações ainda não terminaram. “Estamos dando continuidade aos trabalhos. Não tem dia e hora para as investigações serem encerradas”, afirma. Também segundo o delegado, o cabo Figueiredo foi detido, ainda durante a madrugada, na casa da namorada, no Vera Cruz. “Os outros dois se apresentaram à Corregedoria da Polícia Militar no final da manhã”, diz.


“Foi decretada a prisão temporária dos três, que vão permanecer detidos por 30 dias. Dependendo do andamento das investigação, a prisão temporária poderá ser estendida por mais 30 dias”, acrescenta Hellyton Carvalho.


Carta anônima

Os nomes dos três suspeitos estão em uma carta anônima enviada, em julho deste ano, para o Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO), Ordem dos Advogados do Brasil, seção Goiás, (OAB-GO), ao então secretário de Segurança Pública, João Furtado, e à imprensa. Na carta, vários policiais militares são apontados como autores de homicídios em Goiânia e Região Metropolitana.


O autor  do apócrifo citou detalhes do Chacina do Jardim Olímpico e também apontou o sargento Diniz, o cabo Figueiredo e o Soldado Osiris como sendo os responsáveis pelo crime. O nome de outros dois militares também estaria relacionado ao fato, segundo o documento.


Ainda de acordo com a carta, o cabo Figueiredo seria o autor do disparo que matou Isadora, a criança de quatro anos. “Ainda não foi esclarecida qual foi a participação de cada um no crime. Isso só poderemos afirmar após a conclusão das investigações”, explica o delegado Hellyton.


Outros homicídios também são relatados pelo autor, como o assassinato de Valério Luiz, filho do jornalista Mané de Oliveira. Segundo o autor, o cabo Figueiredo também seria o autor dos disparos que matou o cronista. De acordo com a Polícia Civil, essa denúncia será investigada.


Chacina do Jardim Olímpico

O crime que vitimou seis pessoas, inclusive uma menina de quatro anos, foi registrado no dia 19 de novembro de 2011. O crime aconteceu por volta das 22h15, em uma casa na Rua X-50.


As vítimas foram identificadas como Edivone Cândida de Bastos Alves, 47 anos, as filhas Stherfane Cândida de Bastos Reciol, 26 e Ludimila Cândida Alves, 31, com os companheiros, Luciano Lopes dos Santos, 34, Rounandes Teles, 23, e a pequena Isadora Monique Cândida Alves.


Único sobrevivente da chacina, um bebê de dez meses, filho de Ludimila, foi encontrado ileso em uma cama, ao lado do corpo da mãe.


Conforme foi divulgado pela Polícia Militar (PM) um dia após o crime, o marido de Edivone, que também morava na casa, havia saído da residência pouco antes do crime para visitar parentes, no mesmo quarteirão.


Segundo a carta anônima, que ganhou repercussão nacional, o crime teria sido motivado por acerto de contas. “A chacina aconteceu porque um parente das vítimas envolvido com o mundo do crime teria ameaçado de morte o Osiris e o Sargento Diniz (CME2) por desacordo de extorsão de traficantes”, diz o apócrifo. Conforme foi divulgado pela PC, todas as denúncias serão investigadas.

Fonte: http://www.aredacao.com.br


2 Comments

  • Avatar
    Anônimo , 30 de novembro de 2012 @ 17:49

    É esse povo que se dis trabalhar para a nossa segurança! Todos devem ter família e filhos, será que uma pessoa dessa pensa? Acho que não, pois ter coragem me matar uma criança de 4 anos que tem uma vida toda pela frente, uma criança inocente,não só ela mais e outras ai que são inocentes, meu Deus em que mundo chegamos !!!

  • Avatar
    Anônimo , 6 de dezembro de 2012 @ 18:49

    Ninguem tem o direito de tirar a vida de ninguem ao ser Deus! Porem fazer julgamnetos precipitado atrves de uma carta anonima tambem não é correto.O fato de os acusados serem policias militares nao os tornam diferentes de um ser comum. Ate o momento o que se tem são apenas citaçoes de nomes sem provas contundentes contra os policias,Aquelas pessoas mortam moravam em boca de fumo que mae é essa que deixa seu filho com esses marginais em uma boca de fumo onde se usa e se vende drogras.É bom lembrar que aquelas pessoas podem ter sido mortas por divida de drogas com os traficantes, safados que aliciam nossos filhos dentro de escolas.É melhor um bandido morto que um pai de familia.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: