Policarpo: Buscando apoio de Agnelo.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

roberto_policarpo
A disputa pela presidência do PT tem um ingrediente novo: o racha na tendência Articulação. O deputado Roberto Policarpo é ligado à principal e mais numerosa corrente interna do PT hoje no DF, a Construindo um Novo Brasil (CNB), que foi criada em agosto do ano passado. Trata-se de uma dissidência da Articulação, que reúne os sindicalistas do partido, como Chico Vigilante, a deputada federal Érika Kokay e Jacy Afonso, integrante da direção da Central Única dos Trabalhadores (CUT-DF).
O grupo do atual presidente reúne figuras de primeiro escalão da gestão petista em Brasília, como os secretários de Administração, Wilmar Lacerda, de Educação, Denílson Bento da Costa, e da Criança, Arlete Sampaio, além de contar com o distrital Patrício.

A corrente é nacionalmente alinhada com o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu. O próprio governador Agnelo Queiroz é ligado ao grupo em âmbito nacional, mas se mantém oficialmente longe das movimentações locais, embora seja o principal eleitor.

É indiscutível a proximidade de Agnelo com o CNB no DF, já que tem muitos assessores diretos que pertencem à tendência e Policarpo acompanha o governador em praticamente todos os eventos públicos em que é possível à agenda do deputado federal comparecer. O parlamentar foi beneficiado pela indicação do titular anterior da vaga na Câmara Federal, Paulo Tadeu, para a função de conselheiro do Tribunal de Contas do DF (TCDF).
Ainda que cresça no seio do partido a defesa da escolha de um presidente sem intenção de se candidatar em 2014, o CNB tem peso suficiente para conseguir bancar a indicação de Policarpo à reeleição. Ele já vem circulando nas administrações regionais, conversando com lideranças e se aproximando dos militantes. “Eu defendo a democracia. Vou colocar o meu nome para a análise da militância. Ela é que vai decidir se eu posso ser candidato ou não.
O PT é um partido que sempre ouviu as bases. Não vou aceitar nenhuma imposição de cima para baixo”, acrescenta. Ele lembra que são vários os exemplos no partido de presidentes que tinham mandato e foram candidatos.
Informações da Imprensa Pública

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: