Polícia está na captura do ex governador do DF.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Wikimedia Commons(Foto: Wikimedia Commons / Marcello Casal / ABr)
A Polícia Civil prendeu na manhã desta quarta-feira (7) o administrador regional de Águas Claras, Carlos Sidney de Oliveira e está a procura do administrador regional de Taguatinga, Carlos Jales.

Os mandados de prisão temporária foram expedidos no âmbito da Operação Átrio da Polícia Civil em parceria com o Ministério Público do Distrito Federal.
Além dos mandados de prisão contra os dois administradores, também foram expedidos mais dez mandados de condução coercitiva. Entre os quais, um obriga o empresário e ex-governador do DF Paulo Octávio a prestar depoimento na delegacia.
Por meio de seu advogado, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, Paulo Octávio comunicou à Polícia que está fora da cidade, mas em deslocamento para comparecer à delegacia. “Paulo Octávio não está resistindo, vou levá-lo a depor. Só acho que o mandado de condução coercitiva é um constrangimento desnecessário, por isso farei uma petição contrária à medida”, afirmou Kakay. “Paulo Octávio dará todos os esclarecimentos necessários ainda hoje à polícia, embora não saiba o teor do inquérito”, ainda segundo o advogado.
A Operação Átrio investiga a cobrança de propina na liberação de alvarás emitidos especialmente para empreendimentos em Taguatinga e Águas Claras.
No caso de Paulo Octávio, as suspeitas recaem sobre o shopping JK, na QNM 34, em Taguatinga Norte, que está com data de inauguração prevista para o próximo dia 16. A Polícia, no entanto, ainda não sabe se o empresário é vítima ou teria algum tipo de relação com o suposto esquema criminoso. Por isso, o depoimento dele é considerado fundamental para as investigações.
Se até o final da manhã o administrador de Taguatinga não se apresentar, os delegados vão pedir a prisão preventiva de Carlos Jales. O prazo da prisão temporária é de cinco dias. No caso da preventiva, ele poderia permanecer preso até o final das investigações.
Informou a Veja Brasília

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: