SABOTAGEM: Polícia Militar exonera coronel que suspendeu convênios da corporação

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Policiais Militares em ronda: interrupção do plano foi revogada e, aos poucos, o atendimento nos hospitais e clínicas deve voltar ao normal (Rafael Ohana/CB/D.A Press - 17/6/11)
Policiais Militares em ronda: interrupção do plano foi revogada e, aos poucos, o atendimento nos hospitais e clínicas deve voltar ao normal

A suspensão temporária dos atendimentos pelo plano de saúde da Polícia Militar do DF (PMDF), na última segunda-feira, foi considerada, pelo governador Agnelo Queiroz (PT) um atentado “gravíssimo” contra os policiais militares. O chefe do Executivo garante que a justificativa do Departamento de Saúde e Assistência ao Pessoal da corporação para cancelar o serviço até 31 de dezembro deste ano — a falta de recursos orçamentários — não é válida. “Sempre esteve e continua ativo (o convênio). A suspensão foi um ato intempestivo e até irresponsável porque tem o recurso. São R$ 40 milhões no Fundo Constitucional e R$ 32 milhões no Fundo de Saúde, portanto não é por falta de dinheiro”, disse ontem, durante evento no Hemocentro.



Indignado com a situação, Agnelo passou a tarde reunido com o comandante-geral da Polícia Militar, Jooziel de Melo Freire, para avaliar a crise. Reclamou de que a categoria, que vai às ruas em situação de risco, não pode ser exposta sem um plano de saúde. A primeira consequência será a exoneração, que sairá publicada hoje no Diário Oficial do DF, do diretor do Departamento de Saúde da PM, coronel Sérgio Luiz de Souza Cordeiro. Outros oficiais podem ser afastados. O governador determinou também a abertura de inquérito na Polícia Militar e uma investigação na Secretaria de Transparência. “Está caracterizada uma sabotagem. Um coronel teve a ousadia de colocar a família de policiais militares em risco”, disse Agnelo.


A decisão do Departamento de Saúde foi cancelada na terça-feira. Aos poucos, as 17 unidades de saúde, entre hospitais e clínicas, retomam o convênio. Três prestadoras procuradas pelo Correio, porém, afirmaram que ainda não atendem os militares, ativos e inativos, e familiares. Por telefone, as recepcionistas dos hospitais Santa Marta, Maria Auxiliadora e São Francisco disseram que não sabem da revogação. “Ainda está suspenso. Ninguém nos informou e continuamos sem aceitar. Pelo sistema, está até bloqueado”, explicou uma atendente. O comandante-geral da PM garantiu ontem ao governador que a situação será normalizada imediatamente.
Informou o Correio Web

Deixe uma resposta

Posts Relacionados

%d blogueiros gostam disto: