Polícia prende quadrilha de traficantes em Ceilândia após investigação

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Depois de seis meses de investigação, operação da Coordenação de Repressão às Drogas (Cord), da Polícia Civil, prendeu em flagrante uma das maiores quadrilhas de tráfico de drogas do DF. Os oito componentes do grupo abasteciam pequenos traficantes em toda Ceilândia e ainda tinham ramificações em Goiânia e no Piauí. Segundo o chefe da Cord, Luiz Alexandre Gratão, o bando era bem estruturado e agia há pelo menos um ano. Com eles foram apreendidos, além de crack, cocaína e mateiral químico para confecção de entorpecentes, seis carros importados, todos comprados com dinheiro do tráfico.

De acordo com a polícia, o líder do grupo era Henrique Ferreira, 34 anos, vulgo Dudinha, que foi preso na manhã de sexta-feira (18/3) em sua residência na QNN 06, em Ceilândia. Seu braço direito, Antônio Figuereido de Oliveira, 40, conhecido como Bozó, foi enviado a Goiânia para negociar diretamente com traficantes fornecedores da Bolívia. Lá, a droga chegava pura e podia ser adquirida a preços mais acessíveis. Dudinha também montou um laboratório para produzir os entorpecentes a partir da matéria-prima mais barata vinda de Goiás, que funcionava na casa de Ronaldo Cruz Guimarães, 36, na QNN 8.

Durante as investigações, a polícia descobriu ligações dos criminosos com traficantes do Piauí. Na noite de sexta-feira, João Maria Conceição, 31 anos, foi preso quando tentava embarcar em um ônibus interestadual com destino a Teresina, com três quilos de crack escondidos dentro de um taquinho de lavar roupas. O material é suficiente para produzir até 9 mil pedras.

Os outros integrantes detidos na operação são: Abnadabio Gomes dos Santos, 37, conhecido como Bina, João Orlando Francisco da Rocha, 40 anos, vulgo JJ e Charleno Catarino da Costa, 37 anos. Eles responderão por associação e tráfico de drogas. A outra pessoa acusada é esposa de um dos integrantes, mas não teve seu nome divulgado. As penas podem variar de cinco a 15 anos.



http://www.correiobraziliense.com.br

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: