Polícia prende traficante que dominava Taguatinga Norte.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Um dos maiores traficantes da região da QND e da QNG de Taguatinga Norte foi preso na manhã desta quarta-feira (06), em Taguatinga.

Ele e outros dois comparsas foram detidos acusados de uma tentativa de homicídio em Taguatinga Norte. O crime aconteceu na madrugada do dia 15 de fevereiro, na QNE 32.

Segundo a polícia, J.M.C., de 21 anos, D.S.S., de 18 anos, e E.B.G., de 25 anos, estavam em um VW Golf na região, quando resolveram abordar I.S.C., de 33 anos. Após reconhecer a vítima, que estaria devendo R$ 70 por conta de consumo de drogas, um deles estava com uma pistola .40, de uso restrito das Forças Armadas e disparou contra o peito do rapaz.
No entanto, a arma falhou. Dessa maneira, I. saiu correndo. Outros sete tiros foram disparados, sendo que um atingiu o pé da vítima. O rapaz procurou a delegacia para pedir socorro e foi encaminhado ao Hospital de Taguatinga para atendimento.
Minutos depois, J. foi detido. Após o caso, a prisão de D. e E. foi decretada pela Justiça. Todos responderão pelo crime de tentativa de homicídio. Se condenados, podem pegar de 8 a 20 anos de prisão.
Além deste caso, D. está sendo investigado por outros dois crimes, todos por dívidas com o tráfico de drogas. O primeiro deles ocorreu em 27 de dezembro do ano passado, quando um casal de traficantes foi assassinado na Praça do Solar, localizada na QNG 33, de Taguatinga.
O outro crime aconteceu no dia 17 de fevereiro, quando M.P.S., de 18 anos, foi morto com três tiros na Praça da QND 40.
Segundo o delegado Daniel Gomes (foto), titular da 17ª Delegacia de Polícia, que investiga o caso, D. – que completou 18 anos recentemente – é considerado um dos maiores traficantes da região. “Ele costumava dizer que a QNG e a QND eram dele, o que se confirmou que não é verdade, pois eles foram presos pela Polícia”, afirmou.
Se a participação de D. nos dois casos de homicídio for confirmada, ele poderá pegar mais 12 e 30 de prisão por cada caso.
De acordo com Daniel, o que tem dificultado as investigações é a falta de apoio da população. “A população tem um certo receio de relatar casos de traficantes. Mas elas podem colaborar por meio do 197 [Disque-denúncia]. Caso tenham informações, fiquem a vontade para denunciar. Todas as informações serão checadas”, explicou.
Rener Lopes
[email protected] / Jornal de Brasília

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: