Polícia prende vereador Paulo Borges (PMDB) de Goiânia.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

(Foto: Divulgação)

(Foto: Divulgação)


Como desdobramento da Operação Jeitinho, o Ministério Público de Goiás, com apoio da Polícia Militar, cumpre nesta sexta-feira (15/2) mais dois mandados de prisão, dois de condução coercitiva e cinco de busca e apreensão.


Suspeito de envolvimento em fraude na Amma (Agência Municipal de Meio Ambiente), o vereadorPaulo Borges (PMDB) foi no início da manhã desta sexta-feira (15/2). De acordo com o Jornal Opção, por volta das 6h, a polícia cercou o edifício La Rochelle, localizado na T-4, no Setor Bueno, em Goiânia, onde mora o parlamentar, que foi levado em um camburão da polícia.


As novas diligências foram definidas a partir do aprofundamento das investigações, que apontaram a existência de outros envolvidos no esquema de corrupção.


O cumprimento dos mandados mobiliza cinco promotores de Justiça, servidores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e do Centro de Segurança Institucional e Inteligência (CSI) do MP, além de 16 policiais militares. Para não prejudicar a apuração, os nomes dos investigados só serão divulgados pelo MP no momento do oferecimento da denúncia, o que deve ocorrer nos próximos dias.


A OPERAÇÃO


Deflagrada em 11 de janeiro deste ano, a Operação Jeitinho teve como objetivo desmontar esquema de cobrança de propina para a venda de “facilidades” no serviço público, como licenciamento ambiental e embargos irregulares de empreendimentos. Na ocasião, foram cumpridos quatro mandados de prisão preventiva, dois de condução coercitiva e cinco mandados de busca e apreensão, inclusive na sede da Agência Municipal de Meio Ambiente de Goiânia (Amma). Três dos presos eram servidores do órgão público municipal.


A operação recebeu este nome porque um dos envolvidos foi flagrado dizendo que “tudo no Brasil tem jeitinho”, referindo-se ao pagamento de propinas. Segundo a investigação do Ministério Público, há indícios dos crimes de formação de quadrilha, corrupção, tráfico de influência e concussão (exigir vantagem em decorrência do cargo exercido).


Mais Goiás.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: