Por falta de roupa de cama, hospital de Ceilândia cancela cirurgias

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

(Portal G1) Cirurgias do Hospital Regional
de Ceilândia, no Distrito Federal, tiveram de ser canceladas por falta de
roupas de cama. Pacientes dizem ter de levar lençóis de casa ou ficar deitados
em colchões sem forro. A Secretaria de Saúde diz que os hospitais começarão a
receber as roupas de cama na próxima semana.

Um vídeo obtido pela TV Globo
mostra pacientes deitados em macas sem lençol no pronto socorro do hospital. O
marido da dona de casa Maria de Fátima de Oliveira está internado há 20 dias
esperando uma cirurgia no tornozelo. Nesse período, teve de levar de casa a
roupa de cama que usa no hospital.

Segundo os pacientes, os
médicos relatam que também faltam kits cirúrgicos – que inclui roupas e
aventais usados por médicos e enfermeiros. De acordo com a secretaria, não
foram comprados kits no ano passado porque nenhuma empresa se interessou em participar
da licitação por conta da alta do dólar.

No dia 14 de julho, a
secretaria anulou uma nota de empenho para compra de material
médico-hospitalar. O motivo era a falta de espaço no almoxarifado central.
Segundo o subsecretário de Logística e Infraestrutura da Secretaria de Saúde,
Marcello Nóbrega, foi feita uma nota de empenho para entrega de uma quantidade
menor de material.

“Ela [a nota para a
compra] tinha uma quantidade superior à nossa necessidade e reavaliamos e
fizemos uma nova nota de empenho com valor a ser entregue à secretaria”,
afirmou. “Ela abastece toda a rede.”
Improviso

No início do mês, a falta de
lençóis no Hospital Regional de Brazlândia levou funcionários a cobrir macas
com roupas descartáveis que deveriam ser usadas somente por médicos. A situação
foi flagrada na sala de pronto-socorro por uma mulher que acompanhava o marido.

“Olha aí forrando as macas com
os uniformes dos funcionários, com os capotes pra eles trabalharem, porque não
tem lençol. Olha aqui a situação”, diz. “Médico que é o principal, muito
difícil. [Só há] Um médico, que é o principal, pra cem pacientes internados.”
Em nota, a Secretaria de Saúde
admitiu o problema e informou que providenciou a compra de novos lençóis.
Enquanto não chegam, a direção do hospital vai remanejar o material de outras
unidades, afirmou a pasta. De acordo com a secretaria, havia 11 médicos de
plantão no local no momento da gravação, no domingo.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: