Prédio particular abandonado em Ceilândia Sul atrai lixo, bandidos e incomoda moradores há 20 anos.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Um prédio particular na QNN 20, em Ceilândia, tem tirado o sossego de moradores da região há pelo menos 25 anos. Reza a lenda que após a morte do proprietário, o edifício de três andares, conhecido como “Bate Caverna”, passou a ser disputado na Justiça por familiares.

Desde então, sofreu incêndios; teve o muro, paredes internas e escadas quebradas; está com parte da estrutura enferrujada; virou lixão; abrigo para usuários de drogas, moradores de rua, animais, insetos e até  prática de crimes. 


Cansados de reclamar, moradores e comerciantes cobram uma solução. 
A qualquer hora é possível encontrar pessoas dormindo, chegando ou saindo do local, que fica ao lado de uma escola pública, o Centro de Ensino Fundamental 19. À noite é ainda pior. Muitas vezes os “moradores” ligam o som e importunam os vizinhos.


Moradores contam que há alguns anos havia um vigia cuidando do prédio, que acabou sendo dispensado. Assim que ele saiu, uma mulher teria invadido o terreno, onde passou a morar com os filhos. “Quando ela estava lá era melhor. Pelo menos era mais bem cuidado, não tinha lixo e usuários de droga e moradores de rua não frequentavam o lugar”, diz um vizinho.

Crimes

O prefeito comunitário Higor Sávio, 25 anos, conta que cresceu acompanhando o processo de degradação do espaço. “Muitos assaltantes desovam as mercadorias roubadas ou furtadas lá”, conta. Há cerca de um ano, a comunidade se uniu e derrubou as paredes que dividiam os antigos cômodos do primeiro andar. “Fizemos isso para dificultar a prática de crimes”. 
De acordo com o rapaz, clientes do comércio próximo ou pacientes do hospital na quadra ao lado têm os veículos furtados ao estacionar próximo ao prédio. E a gravidade dos crimes pode ser ainda maior. “Sabemos de casos de mulheres que foram abusadas sexualmente no terreno abandonado”, observa.

Caso no Ministério Público

 Segundo Higor Sávio, a Administração Regional de Ceilândia foi acionada diversas vezes, mas não pôde resolver o problema por se tratar de uma propriedade particular. Diante disso, a prefeitura resolveu provocar o Ministério Público, há aproximadamente 15 dias, e aguarda uma resposta.
Mário Murilo Silva, proprietário de uma oficina mecânica em frente ao prédio abandonado, diz ter muitos transtornos. “Eles vêm pedir comida, dinheiro. Afastam a clientela”. A comerciante Marlene Rodrigues, 48 anos, concorda. “Além de perigoso, é feio, sujo e cheio de ratazanas”, reclama.
Edvaldo Antônio de Assis, 66 anos, mora ali perto há 26 anos. “Vi o prédio ser construído. Nunca funcionou nada ali”, diz.

Memória

Em 2012, uma estrutura semelhante começou a ser derrubada em Ceilândia. Por mais de 20 anos, a população conviveu com o que chamava de Castelo de Greyskull, a maior cracolândia da cidade. 
Fonte: Da redação do Jornal de Brasília

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: