Preso casal acusado de desviar recursos públicos de creche em Ceilândia

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram


A Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (DECO/PCDF) realizou, nas primeiras horas desta sexta-feira (12), a Operação Íamo*. A ação é resultado de pelo menos dois anos de investigações, iniciadas a partir da prestação de contas, supostamente irregular, realizada pela Associação Casa da Criança Ana Maria Ribeiro (Criamar), sediada na QNM 27 – Ceilândia Sul.
De acordo com o apurado, o presidente da associação, D.T.F, 60 anos, e a tesoureira, M.A.S.F., 50; teriam utilizado notas fiscais forjadas, desviado recursos públicos e realizado depósitos irregulares em contas pessoais. O casal ainda é investigado por realizar compras desproporcionais de gêneros alimentícios, como carne e frango e, até mesmo, de bebidas alcoólicas para a creche.

As investigações apontaram que, entre os anos de 2005 e 2010, a associação teria recebido cerca de R$ 2 milhões, os quais deveriam ser utilizados para pagamentos de fornecedores. Há indícios de que o recurso financeiro pode ter sido desviado e notas fiscais falsas utilizadas para justificar os gastos relativos ao convênio com o Governo do Distrito Federal.


Durante a operação, além das prisões, também foi cumprido mandado de busca e apreensão na residência do casal, situada no Setor de Mansões de Samambaia. No local, foram apreendidos equipamentos de informática e documentos, os quais serão periciados pela Polícia Civil do DF.

Segundo o delegado-chefe da DECO, Fábio de Souza, além da Criamar, duas outras entidades e 15 pessoas ainda estão sendo investigadas. “Os elementos de informação são realmente idôneos para demonstrar que houve associação criminosa de pessoas para pleitear recursos públicos para um fim nobre, mas, na realidade, foram desviados em quantias significativas”, destaca o delegado.

Os autores responderão pelos crimes de apropriação indébita, formação de quadrilha e falsidade ideológica, com penas que podem totalizar até cinco anos de prisão.

* Da mitologia grega, Íamo era o filho de Apólo que foi abandonado após o nascimento e alimentado com mel de abelhas por duas serpentes.
Divisão de Comunicação/DGPC

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: