Professora de Ceilândia é selecionada para capacitação na Finlândia

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Um total de 35 professores, representantes de 25 institutos federais de educação, ciência e tecnologia teve as propostas aprovadas em chamada pública para capacitação em universidades de ciências aplicadas na Finlândia. A relação dos selecionados foi divulgada na quinta-feira (4).

A iniciativa integra o programa Professores para o Futuro da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.
A professora Kelly de Oliveira Santos, da área de química do campus de Ceilândia do Instituto Federal de Brasília, está na relação dos selecionados. Ela afirma que a motivação para apresentar a proposta surgiu do apoio institucional e da vontade de compreender melhor a missão como professora da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. “Tenho formação acadêmica e me confrontei com um ambiente novo no instituto federal”, disse. “Nesse tempo que passarei na Finlândia espero aperfeiçoar a atuação docente.”

Com o título Nanotecnologia – da Universidade para a Sala de Aula – o projeto da professora pretende criar elementos pedagógicos para aperfeiçoar o ensino de química em cursos do ensino médio integrado e técnico subsequente.

De acordo com Kelly, a proposta consiste em criar uma forma, por meio da nanotecnologia, de reproduzir experimentos químicos no contexto didático, em sala de aula.

“Trata-se de uma proposta para o ensino de química, mas que pode ser multidisciplinar e aproveitada em áreas como física e biologia”, destaca.

Modelo

Os professores selecionados passarão por um período de cinco meses de capacitação profissional nas universidades finlandesas de ciências aplicadas Hamk, Haaga-Helia e Tamk.

Com duração máxima de 12 meses para execução, os projetos estão voltados para o desenvolvimento local em ações de pesquisa aplicada a partir do modelo finlandês de educação profissional. Após o período na Finlândia, os docentes retomarão o projeto no Brasil.

O financiamento das propostas selecionadas ocorrerá com a concessão de bolsas de desenvolvimento tecnológico e inovação no exterior júnior — uma bolsa por projeto pelo período de cinco meses.

As propostas aprovadas receberão também recursos de 9,6 mil euros [R$ 30,6 mil em cotação de sexta-feira, 5] para despesas com taxas escolares.

Outras despesas serão de responsabilidade do autor ou da instituição de execução do projeto, como contrapartida.

A relação dos professores selecionados está disponível na página eletrônica do CNPq.


Fonte: Ministério da Educação

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: