Projeto cultural promove a inclusão de moradores do Sol Nascente, na Ceilândia

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Um projeto social voltado para a valorização da cultura afro-brasileira deve fazer a diferença na vida de 120 crianças e adolescentes, entre 9 e 17 anos, moradores da comunidade Sol Nascente, da Ceilândia (DF). Trata-se do “Kombo Arte Afro”, projeto patrocinado pela Ambev, que terá início em maio deste ano, com cinco meses de duração e a oferta de oficinas gratuitas de percussão, dança afro e capoeira para a comunidade da região, uma das maiores do Distrito Federal.  

Nascida em 2012, a iniciativa, que contou com o patrocínio à época do FAC da Secretaria de Cultura do DF, atendeu às comunidades da Vila Planalto, Vila Estrutural, com aulas de artesanato (em vez de capoeira), além de percussão e danças afro.

“Por meio do resgate do valor da herança cultural africana, esperamos expandir o acesso à cultura dos moradores das Regiões Administrativas que mais carecem deste tipo de trabalho e que sofrem com a falta de uma rede de esgoto, escolas suficientes para atender a população, atendimento médico-hospitalar e cultura e lazer em geral”, explica o diretor de Produção do projeto, Célio Zidorio.

O objetivo é valorizar a cultura afro‐brasileira por meio do resgate do valor da herança cultural associados à música, à dança e à capoeira, ampliando as oportunidades para as pessoas que compõem a diversidade e resgatando o acervo imaterial de cultura brasileira.
“Além disso, as oficinas de ritmos musicais tradicionais afro‐brasileiros terão  como desdobramento a divulgação cultural aos segmentos em situação vulnerável, construindo com os alunos sons percussivos utilizados nos ritmos tradicionais brasileiros, preservando, assim, a identidade cultural”, explica o diretor.

Segundo ele, a ideia é possibilitar, por meio da percussão, da prática da dança afro‐brasileira e da capoeira que crianças e jovens adquiram um processo de identidade cultural e cidadania autônoma, trabalhando a autoestima dos participantes das oficinas, para que os mesmos possam fazer suas considerações positivas no relacionamento social.

Como nasceu o projeto – O projeto foi idealizado pelo mestre Célin du Batuk, na intenção de oferecer a crianças e adolescentes um conjunto de atividades que têm a cultura afro brasileira como  foco, a fim de manter viva a tradição afro-brasileira. Este conjunto de atividades foi nomeado de “Kombo”. A primeira edição do projeto, em 2012,  foi desenvolvida na comunidade da Vila Estrutural e atingiu diretamente 120 crianças e adolescentes da comunidade. Proporcionou aos alunos o conhecimento da manufatura de artesanato com materiais considerados “lixo” e teve como desdobramento o auxílio para que os filhos dos catadores de lixo do Lixão da Estrutural não os acompanhassem nesta atividade, ficando envolvidos com as atividades do projeto. Na oportunidade, foi oferecido o pacote de oficinas: música/ percussão, artesanato afro e dança afro.

A segunda edição do projeto ocorreu na Vila Telebrasília, em 2014, e também atingiu diretamente 120 crianças  e adolescentes. O projeto ofertou o pacote de oficinas: música/ percussão, artesanato afro e dança afro. E teve patrocínio do Fundo de Apoio a Cultura do DF.  Teve como desdobramento a ocupação do coreto da comunidade, com atividades culturais e a maior integração entre os moradores. 

O foco este ano – O projeto está em sua terceira edição, será  desenvolvido na comunidade Sol Nascente, na Ceilândia e tem como foco auxiliar na garantia do direito das crianças e adolescentes por meio da oferta de cultura e lazer, Por meio de ações do projeto, pretende-se coibir o consumo de bebidas alcoólicas por menores de 18 anos, uma vez que os jovens estarão envolvidos com as atividades do projeto nos finais de semana.

Sobre a comunidade atendida este ano – O Setor Habitacional Sol Nascente, em Ceilândia, evoluiu pouco, principalmente em infraestrutura desde que foi ocupado irregularmente na década de 90. A comunidade sobrevive em contextos de precariedade e falta de recursos para saúde, educação, dignidade. É um contexto propício ao uso de drogas, criminalidade e violência.

As oficinas serão ministradas uma vez por semana com 50 minutos de duração, de maio a setembro, todos os sábados de 15h às 18h.  O lançamento do projeto no primeiro dia contará com uma apresentação artística dos professores e seus respectivos grupos, apresentando as atividades que serão desenvolvidas, com ritmos tradicionais brasileiros através da percussão e da dança, além da capoeira.

Já o evento de encerramento será uma apresentação para a comunidade do que os alunos aprenderam durante os cinco meses de aulas.
 
SERVIÇO:
 
O que: 3ª Edição do Projeto Kombo Arte Afro
Onde: Comunidade do Sol Nascente – Ceilândia (DF), espaço cultural Filhos do Quilombo
Quando: Do dia 5 de maio ao dia 29 de setembro de 2018
Quanto: Gratuito
Como: Oficinas gratuitas de Percussão, Dança Afro e Capoeira
Informações: http://komboarteafro.blogspot.com.br/
FICHA TÉCNICA:
Diretor de Produção e Oficineiro de Música e Percussão: Célio Zidorio,
Produtor Executivo: Luciana Vecchi Martins da Cunha
Assistente de Produção: Ana Paula Caio Zidorio

Imagem divulgação

Deixe uma resposta

Posts Relacionados

%d blogueiros gostam disto: