Projeto em Ceilândia atua na prevenção do pé diabético

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

No Brasil, cerca de 13,4 milhões de pessoas possuem diabetes, segundo dados do Ministério da Saúde. A doença é mais incidente entre as mulheres, com um percentual de 26,3% contra 21,5% dos homens. Laurinda Rosa da Silva faz parte dessa estatística. Moradora de Ceilândia Sul, ela descobriu a doença em um exame de rotina, 8 anos atrás. “Eu sentia a boca muito seca e às vezes passava mal”, lembra.
Dona Laurinda iniciou o tratamento logo após a confirmação do diagnóstico. Mas os medicamentos não foram suficientes para estabilizar as taxas de glicose. Por consequência dos elevados picos de glicemia, a senhora de 68 anos começou a sofrer pequenas lesões nos pés. “Meus pés ficaram inchados, coçando, cheios de bolhas e feridas”, conta.
Ela apresentava o chamado pé diabético. “Uma complicação do diabetes, representada por uma série de alterações como machucados, perda de sensibilidade e deformidade do pé”, explica a professora Luísiane de Ávila Santana, coordenadora do projeto de extensão Doce Desafio, realizado em Ceilândia. A alteração pode causar úlceras, infecções, isquemia ou trombose e, com a demora na cicatrização provocada pelo diabetes, pode levar à amputação.

O programa Doce Desafio realiza avaliações, acompanhamento de alterações metabólicas, exercícios físicos supervisionados e atividades educativas com palestras, vídeos e oficinas para pessoas com diabetes mellius de tipos 1 ou 2. A iniciativa está presente em Brasília, Ceilândia, Paranoá, Itapoã e Sobradinho.
Em Ceilândia, o projeto também atua na prevenção e no diagnóstico de deformidades, problemas circulatórios e do sistema nervoso periférico, que ocorrem frequentemente nos membros inferiores da pessoa com diabetes. A equipe atende cerca de 20 pacientes duas vezes por semana. Dona Laurinda é uma das mais novas integrantes do programa. Ela é atendida pela equipe há pouco mais de três meses e já apresenta involução da doença.
ATENDIMENTO – O projeto presta atendimento no Centro de Saúde nº 3, que fica em Ceilândia Sul. As equipes contam com o apoio de monitores e professores de diversas áreas e funcionários do centro de saúde. Já a avaliação e o tratamento dos pés dos pacientes com diabetes são realizados no Centro de Saúde nº 6, também em Ceilândia. As atividades são gratuitas aos participantes e financiadas com recurso público, da UnB e de outras instituições, a partir de editais públicos.
UNB Agência – Imagem Júlio Seara

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: