Projeto Golfinho beneficia cerca de 500 crianças socialmente vulneráveis

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Duas vezes por semana, 489
meninos e meninas de 6 a 14 anos, que moram no Sol Nascente, em Ceilândia, no
Paranoá e no Itapoã, participam do projeto Golfinho, da Companhia de Saneamento
Ambiental do Distrito Federal (Caesb). A iniciativa existe há 14 anos e oferece
atividades que trabalham leitura, escrita, raciocínio lógico e esportes, como
natação, futebol, corrida, basquete e vôlei.


Segundo
a gerente de Qualidade de Vida e Responsabilidade Social da Caesb, Márcia
Freire, podem entrar no programa crianças de 6 a 10 anos que estejam em
condições de vulnerabilidade social — sob medida protetiva ou em situação de
trabalho infantil, por exemplo — e estudem na rede pública. Não há período de
inscrição, e a seleção é feita nas Escolas Classes nº 1, do Itapoã; nº 2 e no
Centro de Atenção Integral à Criança Santa Paulina, do Paranoá; e nas nº 25, nº
47 e nº 50, de Ceilândia.

Programação

As atividades são realizadas no turno contrário à escola, às terças
e quintas-feiras ou às quartas e sextas, nos núcleos de atendimento do Golfinho
em Ceilândia, no Itapoã e no Lago Sul. Este funciona por meio de uma parceria
com o Centro de Convenções Israel Pinheiro, na QL 32, e é no momento o único
local onde se pode ministrar aulas de natação. Nas outras unidades, as piscinas
estão em manutenção.


Nas
turmas matutinas, a programação começa às 8 horas com café da manhã. Em
seguida, formam-se dois grupos: um fica em sala para fazer exercícios propostos
pela pedagoga, e outro segue para a educação física. Depois, eles trocam. Às 11
horas, após ter lanchado, os alunos partem nos ônibus oferecidos pela
companhia. À tarde, a mesma rotina começa às 13h30 e termina às 16h30.
Recursos

O projeto é mantido pelo Fundo de Assistência Social da Caesb com
verba proveniente de multas aplicadas a infratores. O custo anual gira em torno
de R$ 1,2 milhão, dinheiro que financia professores, seguranças, uniformes,
material de apoio e transporte, entre outros recursos. A equipe de
profissionais de educação física, pedagogia e administração é contratada por
meio de pregão eletrônico.

Agência Brasília

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: