Propina em troca de alvarás para empresas

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Administradores de Águas Claras e Taguatinga têm prisão decretada sob acusação de cobrança para autorizar construções e funcionamento de empreendimentos. Mais 12 pessoas são investigadas, entre as quais o ex-vice-governador Paulo Octávio

Policiais civis estiveram nas administrações de Taguatinga e Águas Claras para apreender documentos: mediante pagamento de propina, alvarás poderiam sair em até 15 dias
A rapidez incomum na emissão de alvarás para construção de pelo menos seis grandes empreendimentos residenciais e comerciais no Distrito Federal é alvo de uma ampla investigação. Na manhã de ontem, o Ministério Público e a Polícia Civil deflagaram a Operação Átrio e prenderam o então administrador de Águas Claras, Carlos Sidney de Oliveira. Também existe mandado de prisão em nome do agora ex-administrador de Taguatinga, Carlos Alberto Jales, mas ele fugiu ainda na madrugada. Os dois são suspeitos de participar de um esquema de pagamento de propina a fim de burlar o trâmite dos processos. Diante das denúncias, os dois foram exonerados.

A ação conduzida por promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e policiais da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Deco) também levou 12 pessoas, entre comerciantes, empresários, servidores e funcionários de empresas particulares, a prestarem depoimentos. O ex-vice governador Paulo Octávio (PP) foi um dos alvos. A Justiça decretou a “condução coercitiva” do empresário para depoimento. Ele estava em viagem a São Paulo e se apresentou à tarde para prestar esclarecimentos. …

Em Taguatinga, promotores e policiais civis recolheram provas
Segundo a investigação, o político e empresário exercia forte influência sobre os gestores. Inclusive, determinava como os processos relacionados aos seus negócios deveriam ser conduzidos. Policiais e promotores cumpriram mandado de busca e apreensão na casa de Paulo Octavio, no Lago Sul, e em dois hotéis de sua propriedade. Ele nega irregularidades na concessão de alvarás. (leia mais na página 20).

O maior empreendimento citado no inquérito é o JK Shopping & Tower, em Taguatinga Norte, previsto para ser inaugurado no próximo dia 16. Construções desse porte levavam, no máximo, 15 dias para serem aprovadas pelos administradores. Em situações normais, o prazo pode variar de 60 dias a um ano.

Integrantes da Polícia Civil: investigação do caso começou em 2011
 Há suspeita de que, além de dinheiro, os interessados em erguer prédios luxuosos com mais celeridade cooptavam funcionários, ofereciam presentes e exercerciam um forte tráfico de influência. “Não é possível contabilizar os prejuízos aos cofres públicos, pois o crime não envolve apenas vantagem patrimonial. Há danos, por exemplo, ao meio ambiente e ao trânsito por ausência de estudos de impacto nessas regiões”, explicou o chefe da Deco, delegado Fábio Santos de Souza.

O Gaeco e a Deco ainda solicitaram a prisão do empresário Luiz Bezerra de Oliveira, negada pela Justiça. Durante as diligências, os investigadores descobriram que ele deu R$ 40 mil aos dois administradores, dinheiro supostamente oriundo de propina. Carlos Jales mora em um apartamento luxuoso em Águas Claras cedido por Bezerra (leia mais na página 21).

Fonte: Correio Braziliense – 08/11/2013

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: