PRTB cobra o direito à vaga de Liliane Roriz que trocou a sigla pelo PSD.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Não tenho peso nenhum na consciência, não saí grosseiramente. Cumpri os meus prazos, conforme previsto (Carlos Moura/CB/D.A Press - 9/11/11)
Não tenho peso nenhum na consciência, não saí grosseiramente. Cumpri os meus prazos, conforme previsto


O PRTB entrou na Justiça contra Liliane Roriz (PSD) na tentativa de tirar dela o mandato de deputada. A ação foi protocolada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) no último dia 25 de outubro. No processo, a legenda pela qual a distrital foi eleita sustenta que, ao mudar de partido no mês passado, a parlamentar teria praticado infidelidade partidária. 

A Resolução nº 22.610 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) prevê que a troca de legenda caracterizará essa conduta se não houver justificativa legal para a troca. Segundo as normas editadas pelo TSE, quatro motivos configuram causa aceitável para a desfiliação. São eles: criação de partido, incorporação ou fusão de sigla, mudança substancial do programa partidário e grave discriminação pessoal. 

A criação de legenda, pois, está entre os itens que evitam o enquadramento do político na sanção prevista pela Lei Eleitoral. Mas, para o PRTB, Liliane Roriz não está coberta pela hipótese legal. Na ação contra a deputada, o advogado do partido sustenta que “ela nem sequer veio a aderir ao ato fundacional do PSD, nem, tampouco ajuizou demanda prevista no parágrafo 3º, do artigo 1º, da Resolução nº 22.610 do TSE”. Ou seja, a acusação é de que Liliane Roriz não deu nenhuma pista sobre a intenção de trocar de partido e, quando o fez, também não apresentou justificativa.

Candidato ao Palácio do Planalto em 2010 e presidente nacional do PRTB, Levy Fidelix diz que cumpriu um dever de ofício ao entrar na Justiça reclamando o mandato da distrital. O caso da parlamentar do DF não é o único. O partido de Levy teve uma baixa de deputado federal e três deserções estaduais — duas em Minas Gerais e a outra em Goiás — com a criação do PSD. “Ela não poderia simplesmente deixar a legenda sem antes ter movido ação informando que estava indo para outro partido. Vamos recorrer, se for o caso, até ao Supremo, que é nosso guardião primeiro, para retomar esse mandato”, avisou Fidelix. Ele afirma que a sigla também vai mover outra ação no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios cobrando da deputada, com base no estatuto do partido, multa de R$ 300 mil.

Sem estrutura 
Liliane Roriz conta que tentou fazer contato com Levy Fidelix em mais de uma ocasião quando decidiu trocar de legenda. Ela diz, no entanto, que a sigla não tem estrutura no DF e que precisou mandar um advogado a São Paulo procurar o presidente do PRTB, pois ele não a atendia pelo telefone. “Mandei uma carta para Levy Fidelix informando a minha decisão e agradecendo pela oportunidade. Não tenho peso nenhum na consciência, não saí grosseiramente. Cumpri os meus prazos, conforme previsto”, considerou Liliane. 

Integrantes do Ministério Público Eleitoral consideram que dificilmente o PRTB terá ganho de causa na ação contra a distrital. Na avaliação de procuradores, ela está coberta pela resolução do TSE que autoriza a mudança para nova legenda desde que feita nos prazos estabelecidos pela regra eleitoral. Além disso, na avaliação do MP, mesmo que tenha havido algum vício no processo de transferência, o erro não seria maior que o direito substancial do mandato parlamentar. 

Na ação movida contra a deputada, o PRTB reúne jurisprudência do TSE e do Supremo Tribunal Federal para alegar que o entendimento da Justiça é de que o mandato proporcional é de propriedade da legenda e não do político. Desde março de 2007, quando a Resolução nº 22.610 foi editada, o entendimento da Justiça Eleitoral passou a ser de que a desfiliação partidária, sem razões previstas na lei, dão à sigla o direito de retomar o cargo eletivo. A legislação prevê, inclusive, que a própria agremiação entre na Justiça para pedir o mandato de volta. E, se não o fizer em 30 dias, o Ministério Público passa a ter legitimidade para tomar a iniciativa. 

Se o PRTB conseguir provar a tese que defende e Liliane Roriz, eventualmente, perder o mandato, quem assume é o primeiro suplente do partido, Valter Ângelo Lima. Ele teve 2.182 votos no pleito de 2010, 10 vezes menos do que conquistou a titular, que garantiu o apoio de 21.999 eleitores. Valter Lima, como é conhecido, é, há muitos anos, radialista em Brasília.


Lilian Tahan para o Correio Web.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: