Qualificação de vigilantes para fazer segurança dentro dos estádios

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

A qualificação dos vigilantes que farão a segurança dentro do Estádio Nacional Mané Garrincha foi tema de debate de uma segunda reunião na Secretaria Extraordinária da Copa, por solicitação do deputado Chico Vigilante (PT). A primeira foi na semana passada quando ficou decidido que um novo encontro ocorreria nesta, com a presença do secretário de Trabalho, bispo Renato Andrade. Na pauta, a discussão para definição de orçamento visando a qualificação de um quantitativo da categoria em um segundo idioma e noções de direitos humanos e outros.

A reunião contou com a presença do secretário da Copa, Cláudio Monteiro, secretário de Trabalho, bispo Renato Andrade, diretor do Sindicato dos Vigilantes do DF (Sindesv/DF), Moisés Alves da Consolação, e o presidente da Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV), José Boaventura.

Chico Vigilante explicou que hoje existem 50 mil vigilantes formados, sindicalizados no DF. E que eles não precisam de curso de profissionalização, mas de qualificação, uma espécie de plus a mais para estarem aptos a fazerem a segurança interna no estádio, conforme determinação da Fifa.

“O que precisamos é basicamente aperfeiçoar esses profissionais com um segundo idioma, inglês ou português”, explicou. O levantamento do quantitativo de trabalhadores que farão o curso será feito pela Polícia Federal, responsável pela fiscalização da profissão. “Nós necessitamos que a Secretaria ofereça os cursos até para que as escolas de formação não fiquem responsáveis para não criar expectativa generalizada, como se todos os vigilantes fossem trabalhar dentro do estádio”, esclareceu o parlamentar. “Gostaríamos muito se isso fosse possível, mas infelizmente não é”, disse. 

O presidente da CNTV, José Boaventura, relembrou a necessidade de também investir em conhecimentos direcionados para direitos humanos, uma disciplina que possa tratar da humanização, além de mecanismos em tecnologia. “Precisamos investir mais em tecnologia de segurança e humanização no trato com esta questão também da diversidade qualquer que seja ela, raça, gênero, etc.”, observou.  

Projeto pronto em duas semanas

O secretário de Trabalho, bispo Renato Andrade, considerou a qualificação da categoria fundamental e urgente. Lembrou que outros segmentos estão passando por cursos de qualificação e que no caso dos vigilantes, trata-se de uma questão de segurança e social. 

Um grupo de trabalho integrado por representantes das duas Secretarias, do Sindicato e da CNT se reunirá a partir desta semana na sede da Secretaria do Trabalho para a elaboração da minuta do projeto. De acordo com Renato Andrade, em no máximo 10 dias a Secretaria apresenta o projeto pronto. “Aí daremos as mãos e vamos atrás de orçamento”, ressaltou. A meta é começar as aulas a partir de janeiro de 2013.

Cláudio Monteiro explicou que a estimativa é de cerca de 960 profissionais por evento para atender a capacidade da arena Mané Garrincha. Aproximadamente cerca de 3 a 4 mil vigilantes serão capacitados. “Uma vez definido o projeto, o Sindicato fará a mobilização dos vigilantes para os cursos, que deverão ser presenciais e adaptados a carga horária de trabalho de 12 por 36 horas.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: