Quanto mais João Dias se explica, mais se complica.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Quanto mais João Dias se explica, mais se complica Foto: Naira Trindade / 247

Policial militar convoca entrevista coletiva para elucidar motivos que o levaram a invadir o Palácio do Buriti na última quarta-feira, mas, questionado sobre motivo do pretenso “cala-a-boca” de R$ 200 mil, preferiu calar


Naira Trindade _Brasília 247 – Depois de passar a quinta-feira preso, o policial militar João Dias convocou entrevista coletiva na noite desta sexta-feira para se explicar. O soldado prometia elucidar tudo que ocorreu desde o domingo, quando teria recebido R$ 200 mil, até a tarde de quarta-feira, quando invadiu o gabinete do secretário de governo Paulo Tadeu para pretensamente devolver a propina. Mas, questionado sobre o motivo do tal “cala-a-boca”, o acusador preferiu calar.
Dias não disse qualquer palavra sobre o possível envolvimento do governador Agnelo Queiroz e de Paulo Tadeu em esquemas de corrupção. Em uma sala recheada de jornalistas, o PM demonstrou tranquilidade, mas se evadiu das perguntas mais importantes. Detalhes por parte dos soldados apenas sobre os motivos que o levaram a ficar com a tal propina durante três dias antes de devolver. “Na segunda e na terça-feira estive renovando a minha licença médica na polícia, que estava vencida”, disse.
Na versão do PM, ele entrou normalmente, como qualquer pessoa, no Palácio do Buriti. Deixou o documento de identidade na entrada, como todo mundo, e foi orientado pelos seguranças sobre como chegar à secretaria de governo. Lá, ele se desentendeu com uma subsecretária e recebeu um tapa da moça. Dias também teria recebido uma pancada no rosto com um grampeador antes de reagir.
Depois de preso, o soldado disse que os policiais responsáveis por sua tutela queriam abafar o caso e não pretendiam nem levá-lo à delegacia. Dias teve de ligar para um colega major para garantir que o procedimento fosse feito da forma correta. Durante a entrevista, o soldado aproveitou para cobrar o governo sobre o sumiço de R$ 41 mil da bolsa que ele levou para o Buriti. Segundo o PM, as notas, que totalizavam R$ 200 mil, estavam divididas em vários maços de valores diferentes identificados por anotações feitas a caneta. Para Dias, será fácil rastrear o autor das contas pela ortografia.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: