Representante da Secretaria de Cultura da Argentina visita pontos de cultura na Ceilândia

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Ponto de Cultura Atitude Jovem (Foto: Zildelene Medeiros, Comunicação/SCDC)
A subsecretária de Políticas Culturais e Socioculturais da Secretaria de Cultura da Argentina, Alejandra Blanco, visitou hoje (29), dois pontos de cultura que atuam junto à comunidade da cidade de Ceilândia (DF). A subsecretária esteve em Brasília nos dias 28 e 29 quando integrou a comitiva do secretário de Cultura da Argentina, Jorge Coscia, para reuniões de trabalho com o Ministério da Cultura que resultou na assinatura da Carta de Brasília. O documento estabelece parcerias entre os dois países para a realização de ações culturais, troca de experiências e aprofundamento do intercâmbio em vários segmentos da Cultura.

Um dos pontos firmados na Carta de Brasília é a realização de editais que promovam residências e oficinas de representantes de Pontos de Cultura (Brasil) e Puntos de Cultura (Argentina) nos dois países. Além disso, o documento estabelece a realização de esforços mútuos para facilitar a interlocução e realização de atividades conjuntas entre “Pontos” e “Puntos” sediados na fronteira comum.
Alejandra Blanco conheceu o Ponto de Cultura Atitude que usa as diversas linguagens do hip hop, como o grafite e a dança, como ferramenta de transformação social, e o Ponto de Cultura Menino de Ceilândia que investe na formação das crianças com a música e dança , usando com o tema o frevo e o carnaval pernambucano.
No Ponto de Cultura Menino da Ceilândia, a subsecretária de Políticas Culturais da Argentina, que estava acompanhada da assessora internacional da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural, Giselle Dupin, se encantou com os bonecos gigantes usados pelo grupo de dança do Ponto que desfila todos os anos no carnaval de Brasilia.
Alejandra Blanco, subsecretária de Políticas Culturais e Socioculturais da Secretaria de Cultura da Argentina (Foto: Zildelene Medeiros, Comunicação/SCDC)
“Durante todo o período de ditadura ficamos sem feriado do carnaval. Só há dois anos, em 2010, o feriado de carnaval foi restituído pela presidente Cristina Kirchener e estamos revitalizando o carnaval na Argentina“, contou a subsecretária que demonstrou interesse em fazer intercâmbio de experiências com o Ponto de Cultura Menino da Ceilândia.
“Ficamos felizes com a possibilidade de intercâmbio e, apesar da Associação Menino da Ceilândia ter sido criada em 1995, só conseguimos mais projeção e reconhecimento do nosso trabalho quando nos tornamos um Ponto de Cultura”, contou Ailton Velez, presidente e fundador do Ponto de Cultura que tem, além do bloco de carnaval, uma orquestra formada por 15 crianças da cidade que aprenderam a tocar no Ponto. No local, também são ministradas oficinas para a fabricação dos bonecos gigantes e aulas de corte e costura para as mães das crianças que, depois, produzem todas as fantasias utilizadas no carnaval.
“O Ponto de Cultura é a melhor ação de política cultural e de entendimento da cultura como uma recomposição do social”, afirmou a subsecretária durante a visita ao Ponto de Cultura Atitude, situado também na cidade de Ceilândia, no Distrito Federal. Segundo ela, existem, atualmente, na Argentina 200 Pontos de Cultura já implementados e está sendo lançado edital para a implementação de mais 200. O Brasil têm, até agora, 3.703 Pontos de Cultura e a previsão, de acordo com as metas estabelecidas no Plano Nacional de Cultura (PNC) é de chegar a 15 mil Ponto até 2020.
Hip hop como cultura da paz
O Ponto de Cultura, que existe há 10 anos, utiliza as várias manifestações do hip hop, como o grafite e a dança, para implementar uma cultura de paz na cidade, uma das mais violentas situadas na região de Brasília. “Trabalhamos com a cultura para ajudar a juventude a criar uma cidade diferente da que vivemos”, contou o diretor-executivo e fundador do Ponto, Sérgio de Cassio.  Ele informou ainda que o Ponto trabalha diretamente com quatro grandes ações que é a cultura, a geração de renda, a leitura e o audiovisual.
“Temos oficinas artísticas voltadas para a cultura do hip hop, mas também temos a sala de leitura Felicidade Clandestina, a única que possui livros de literatura na zona sul da cidade”, citou o fundador do Ponto. Segundo ele, depois que a entidade se tornou um ponto de cultura ganhou mais reconhecimento da comunidade. “Com esse respeito, construímos outras parcerias como a que existe hoje com a Secretaria de Cultura do Governo do Distrito Federal”, emendou ele.
O Ponto de Cultura realiza também ações nas ruas, com a presença de DJ, e desenvolve projetos de prevenção à AIDS e de educação sexual junto aos jovens carentes da cidade. O grupo do Ponto, formado por oito pessoas que trabalham diretamente com as ações, conseguiu reunir ainda um grupo de mulheres da comunidade com o objetivo de discutir a redução da violência contra as mulheres e a elevação de sua autoestima.
O Ponto de Cultura Atitude desenvolve ainda um projeto de geração de renda  por meio da qualificação profissional dos jovens que frequentam o Ponto, que possui estúdio de gravação de áudio, radio Web, e Cine Clube. “Nossas ações de cultura da paz acontecem de forma lúdica durante as oficinas”, informou Sérgio Luiz, atual presidente do Ponto.
Segundo ele, o Ponto já recebeu 11 prêmios de reconhecimento pelo trabalho desenvolvido, dentre eles, o Prêmio Internacional Sonhadores do Milênio da Unesco, em 1999; e os Prêmios Mídia Livre (2009), Ludicidade (2009), Pontos de Leitura (2009), e ASAS do Ministério da Cultura.
(Texto: Heli Espíndola, Comunicação/SCDC)
(Fotos: Zildelene Medeiros, Comunicação/SCDC)

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: