Revista Veja: O primeiro dia de campanha: Aécio em SP; Campos em Ceilândia e Dilma no Palácio.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

A campanha eleitoral para a Presidência da República já começou, ainda que em ritmo lento. Nem poderia ser diferente. O coração da nação agora está em outro lugar. Se a Seleção Brasileira passar nesta terça pela da Alemanha, aí só pensaremos no domingo seguinte. Depois haverá alguns dias ou de festejos ou de luto, vamos ver. A segunda quinzena ainda é de férias escolares. A eleição começará a frequentar as preocupações dos brasileiros em agosto. E com mais clareza a partir do dia 19, quando tem início o horário eleitoral gratuito. Neste domingo, os candidatos se mexeram um pouco.

O tucano Aécio Neves esteve na abertura do 17º Festival do Japão, em São Paulo. Estava acompanhado do governador Geraldo Alckmin; do candidato a vice na sua chapa, senador Aloysio Nunes Ferreira; e de José Serra, que disputa o Senado. Quem organizou a visita foi o vereador Andrea Matarazzo, coordenador da campanha do PSDB no Estado. Havia ali a evidência da unidade tucana em terras paulistas, coisa na qual muita gente, especialmente os petistas, não apostava.
Aécio detectou, e com razão, um movimento do Palácio do Planalto e do PT para tentar se apropriar da Copa. Afirmou: “Alguns acham que podem confundir Copa do Mundo com eleição. Não, o brasileiro está suficientemente maduro para perceber que são coisas diferentes. Falo isso porque vejo uma tentativa de certa apropriação desses eventos para o campo político”. Dilma tem criticado o que chama de “pessimistas”, que apostariam no fiasco no torneio no país e tem tentando vincular essa pregação à oposição. Em resposta, o senador mineiro tem dito que “o Brasil vai vencer no campo e nas urnas”. Aécio afirmou ainda: “Da minha parte, jamais permitirei que queiram dividir o Brasil entre nós e eles. Campanha, para mim, não é guerra”.
Eduardo Campos, do PSB, acompanhado de Marina Silva, visitou a comunidade Sol Nascente, na cidade- satélite de Ceilândia, no Distrito Federal. Ela disputa com a Rocinha, no Rio, o título de a maior favela do Brasil. Ao lado de montanhas de lixo nas vielas, o candidato discursou: “Não se pode admitir que, a 35 quilômetros do Palácio do Planalto, em um Estado governado pelo mesmo partido que o governo federal, você ande em uma comunidade que nem sequer tem o lixo retirado das ruas. Não deveriam nem disputar a eleição; deveriam ter a humildade de dizer que fracassaram”. Ele se referia, claro!, ao PT, que governa o Brasil e também o Distrito Federal.
À diferença dos dois adversários, Dilma preferiu ficar em casa neste domingo. O seu pronunciamento foi virtual. Na sua página oficial de campanha, apareceu a seguinte postagem: “Ao contrário do que pensam alguns, acho que esta vai ser uma das campanhas mais politizadas da nossa história. Espero que essa politização se dê em torno da discussão das grandes reformas que o Brasil precisa fazer para caminhar melhor e mais rápido (…). Quero renovar meu compromisso de fazer uma campanha de alto nível (…). Para mim, essa campanha é apenas uma etapa da luta incessante que nós, no PT e partidos aliados, estamos fazendo para mudar para melhor o Brasil.”
Parece que o PT vai tentar emplacar o discurso da renovação. Não deixa de ser curioso. Afinal, está no 12º ano de governo e, até agora, não fez reforma nenhuma — e até chegou a tratar o tema com certo desdém. Não custa lembrar que a questão considerada central pelo petismo é a reforma política, com financiamento público de campanha. Dilma deve abraçar a tese do plebiscito para tentar viabilizar as mudanças.
Por Reinaldo Azevedo

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: