Rogério Rosso e Vilmar Rocha miram 2014

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

A sintonia dos presidentes do PSD do Distrito Federal, Rogério Rosso, e de Goiás, deputado federal licenciado e chefe da Casa Civil, Vilmar Rocha, funcionou como um relógio suíço no Entorno. É o que  atesta um graduado assessor parlamentar da Câmara Legislativa brasiliense. Os dois fizeram dobradinha: aonde um não podia ir, o outro estava lá.



Foi assim em vários mo­mentos e cidades. Para os planos de Vilmar Rocha em se candidatar a uma vaga no Senado em 2014, estas quatro prefeituras são um bom início de campanha. São  209.942 votos numa população estimada em 326 mil habitantes. Um dos grandes aliados de Vilmar no Entorno, Rogério Rosso não esconde a alegria com os resultados do PSD no país, com 494 prefeitos eleitos no primeiro turno somando um patrimônio de 5,8 milhões de votos. Em Goiás e especificamente no En­torno, onde foram eleitos os pessedistas Luiz Attié em Cristalina (48 mil habitantes), Itamar Barreto, Formosa (110 mil), Cristóvão Tormin, Luziânia (175 mil) e Hélio Raimundo, Vila Boa (4,2 mil), Vilmar pode armar sua tenda para divulgar seu projeto de 2014.


“Terminamos o primeiro tur­no com 494 prefeituras conquistadas no país, atrás de PMDB, PSDB e PT. Já somos a quarta força política”, destaca Rosso. Ele também ressalta a importância da bancada pesssedista do DF na eleição. “O trabalho conjunto da bancada com os distritais Eliana Pedrosa, Celina Leão, Liliane Ro­riz, Washigton Mesquita e os correligionários de Goiás,  principalmente do secretário-chefe da Casa Civil do governo de Marconi Pe­rillo, Vilmar Rocha, foi decisivo na arrancada do partido em Goiás, conquistando 21 prefeituras.”


De fato, Vilmar esteve em vários municípios ajudando candidatos do PSD e aliados. Em alguns, teve que enfrentar cara feia de candidatos da base do governador Marconi Perillo, como em Águas Lindas, por exemplo. O candidato do PP, Geraldo Messias, reclamou por Vilmar ter participado de carreata junto com Hildo do Can­dango (PTB). “Não tinha como o chefe da Casa Civil evitar, pois o PSD é um dos aliados de Hildo”, defende um aliado do prefeito eleito Hildo. Vilmar também esteve na reta final em Luziânia apoiando Cristóvão Tormin, assim como Rogério Rosso.


Em Cristalina, o adversário de Luiz Attié também é da base governista. Edu Martini (PTB) não só fez uma campanha acirrada tentando desconstruir Attié como arrebanhou para seu palanque o prefeito de Luziânia, Célio Silveira (PSDB). Este episódio levou Vilmar a participar mais ativamente do apoio ao prefeito Attié, até por uma questão delicada. O vice de Attié, João Fachinello, é do PSDB e as críticas de Célio terminaram atingido o colega tucano.
Jornal Opção.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: