Rollemberg é campeão em fechamento de leitos hospitalares

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Atualmente na posição de terceira capital do País em número de leitos de internação fechados, quando se analisa a última década, de acordo com o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), a situação no Distrito Federal se mostra mais preocupante. Em dezembro de 2005, a Secretaria de Estado de Saúde (SES/DF) oferecia 4.494 leitos. Dez anos depois, o número caiu para 4.055, ou seja 439 (9,76%) menos do que se oferecia, em contraponto a um crescimento populacional de 24,93% e à explosão demográfica ocorrida no Entorno.

Relatório lançado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), na segunda-feira, 17, dá conta de que o número de leitos de internação fechados no DF chegava a 817. Naquele mês – dezembro de 2015 – os leitos de internação hospitalar (que não incluem os de repouso, recuperação, UTI e intermediários) eram 4.055. A oferta chegou ao nível mais baixo na gestão de Fábio Gondim, em fevereiro de 2016, quando eram exatos quatro mil os leitos hospitalares disponíveis.
O levantamento do CFM mostrou que, em todo o País, houve aumento de 14% no número de leitos de repouso ou de observação, utilizados para suporte das ações ambulatoriais e de urgência, como administração de medicação endovenosa e pequenas cirurgias, com permanência de até 24 horas no ambiente hospitalar. No DF essa é uma verdade parcial. A oferta aumentou somente depois de 2014: 17,97% em relação a dezembro de 2010 e 36,29% em relação ao mesmo mês de 2014. Na área ambulatorial a queda na oferta foi de 55,86%. Eram 392 leitos em 2010 e 173 em abril. O período de governo de Rollemberg concentra 44,29% da queda da oferta.
Também houve queda na oferta de leitos de UTI e intermediários, chamados complementares. De 534, em 2010, caíram para 404, em 2014, e chagaram a 351, em abril. Isso significa que 28,96% da queda na oferta se concentra na gestão atual.
O governo afirma que a queda na oferta se deve à redução da jornada de trabalho de auxiliares e técnicos em enfermagem. Até 2013 a carga horária desses profissionais era de 30 horas semanais. Foi reduzida para 24 horas em setembro daquele ano e, no ano passado, passou a 20 horas. Os números do Ministério da Saúde, no entanto, não sustentam plenamente essa justificativa. A maior redução na oferta de leitos de internação hospitalar ocorreu entre 2010 e 2011, quando 266 foram fechados. A queda continuou nos anos seguintes em ritmo menos acelerado: 57 em 2012, 82 em 2013 e 139 em 2104. Nova aceleração ocorreu em 2015, quando 563 foram fechados.


*Informações Sindmédico

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: