Samu realiza 57 mil atendimentos no primeiro trimestre, a maioria na Ceilândia

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

De janeiro a março deste ano, a Central de Regulação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – Samu realizou 57.016 atendimentos. O maior número de chamadas para o telefone 192 foi de Ceilândia com 10.359 ligações. Taguatinga vem em seguida com 7.125 e Samambaia em terceiro, com 5.491.
 
O Relatório de Atividade de Regulação Médica de Urgência aponta que o tempo máximo para
deslocamento das equipes até o local da ocorrência foi de 14 minutos. Já a decisão do médico regulador quanto ao procedimento a ser adotado demora, em média, 40 segundos. Os pacientes são removidos para os hospitais públicos (no primeiro trimestre a maioria foi para o Regional da Ceilândia) ou para hospitais particulares.
 
As convulsões, crises hipertensivas, problemas cardíacos, desmaios, dores abdominais, dificuldade para respirar, crises de asma, diarreia e vômitos estão entre os principais diagnósticos dos casos clínicos atendidos pelo Samu/192. Entre as vítimas de traumas, as chamadas mais freqüentes são de quedas de altura, agressões, quedas de moto, atropelamentos, acidentes de trânsito, queimaduras, queda de bicicleta e perfurações por arma de fogo.
 
De janeiro a março as equipes de emergência móvel realizaram 1.220 atendimentos obstétricos. Foram assistidas pelo serviço 754 mulheres em trabalho de parto, além de ocorrências de aborto, trabalho de parto prematuro, complicações pós-parto e pré-eclâmpsia.
 
Para assegurar a cobertura de atendimento a todo Distrito Federal, as equipes do Samu/192 são divididas em sete áreas, abrangendo Sobradinho, Paranoá e Planaltina, Gama e Santa Maria, Taguatinga, Samambaia e Recanto das Emas, Ceilândia e Brazlândia, São Sebastião e Plano Piloto e a sétima, no Guará. 
 
A ligação para o telefone 192 é gratuita e o Samu atende urgências e emergências em residências, locais de trabalho e vias públicas. A chamada é atendida por técnicos na Central de Regulação que identificam a emergência e, imediatamente, transferem o telefonema para o médico regulador, que orienta o paciente ou a pessoa que fez a chamada sobre as primeiras ações. O médico regulador indica se a pessoa deve procurar um posto de saúde; designa uma ambulância de suporte básico de vida, com auxiliar de enfermagem e socorrista para o atendimento no local; ou, de acordo com a gravidade do caso, envia uma UTI móvel, com médico e enfermeiro. Com poder de autoridade sanitária, o médico regulador comunica a urgência ou emergência aos hospitais públicos, reservando leitos para que o atendimento de urgência tenha continuidade.
 
Na Central de Regulação instalada no Parque de Apoio da Secretaria de Saúde no SGAP, as chamadas telefônicas são atendidas 24 horas, sem interrupção, e a equipe é composta por profissionais de saúde como médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem e socorristas, que atendem as urgências de natureza traumática, clínica, pediátrica, cirúrgica, gineco-obstétrica e de saúde mental.
 
O Samu/192 pode ser acionado na ocorrência de problemas cardio-respiratórios, intoxicação, queimaduras graves, maus tratos, trabalho de parto onde haja risco de morte da mãe ou do feto, crises hipertensivas, acidentes com vítimas, afogamentos, choque elétrico e acidentes com produtos perigosos. O serviço pode ser chamado, ainda, para transferência inter-hospitalar de pacientes com risco de morte.
 
Conscientização
 
O número de trotes recebidos pelo Samu/192 ainda é alto. Foram 82.690 no primeiro trimestre de 2011. Como a maioria dos trotes é feita por crianças, foi criado o projeto Samuzinho, com a finalidade de conscientizar alunos do ensino fundamental – 1º ao 9º ano – de escolas públicas, sobre o uso devido do auxílio e reverter o alto índice de ligações indevidas ao serviço. O Projeto Samuzinho visa, ainda, que as crianças atuem como divulgadores dos benefícios do serviço.
 
O serviço no DF conta com 30 ambulâncias, além de dois helicópteros do Corpo de Bombeiros e da Polícia Rodoviária Federal, tripulados por equipes do Samu. Das 22 motolâncias recebidas em 2008 do Governo Federal, nove já estão circulando. A Secretaria de Saúde adquiriu materiais para equipá-las e buscou convênios junto à Polícia Militar Rodoviária do Distrito Federal que formou os primeiros motociclistas. Também foram concedidas horas extras para aumentar o número de motocilistas e gratificação de atendimento móvel de urgência aos servidores.
 
A Rede Nacional do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – 192 possui hoje 146 serviços de atendimento móvel às urgências, que cobrem 1.269 municípios brasileiros, num total de 101 milhões de pessoas.


Ascom SES/DF

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: