Saúde confirma primeira morte por febre amarela no Distrito Federal

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram


Secretaria de Saúde do
Distrito Federal convocou coletiva de imprensa nesta quinta-feira (19) para
divulgar detalhes da primeira morte em Brasília com possibilidade de ligação
com a febre amarela. Segundo informações preliminares, trata-se de um paciente
oriundo de Minas Gerais.

Apesar de não haver um grande
volume de doentes, o vírus está em circulação do DF. Em 2016, a Secretaria de
Saúde recolheu pelo menos oito macacos mortos com a doença. Os óbitos
aconteceram no Jardim Botânico, no Lago Sul e na Candangolândia.

A Secretaria de
Saúde recebeu nesta semana do governo federal 25 mil doses da vacina
contra a febre amarela. O quantitativo faz parte da remessa mensal e é
distribuído de acordo com a demanda de cada região administrativa. Segundo a
pasta, lotes extras são enviados pelo Ministério da Saúde prioritariamente aos
locais com maior incidência de casos, como Espírito Santo, Minas Gerais e São
Paulo.

De acordo com a Secretaria de
Saúde, Brasília não sofre com um número alto de casos de febre amarela desde
2000, quando houve o surto mais grave na cidade, com 40 registros — 38 deles de
moradores de outras unidades federativas diagnosticados no DF.

Em 2008, foram 13 diagnósticos
da enfermidade na capital. Após esse período, a cidade não teve infecção por
febre amarela em residentes. Em 2015, as regiões administrativas anotaram três
casos importados de outras localidades brasileiras.

O histórico dos últimos três
anos mostra um aumento no número de imunizações. Em 2014 e 2015, foram
aplicadas, respectivamente, 105.123 e 181.051 doses. Dados preliminares de 2016
somam 191,2 mil injeções.

Características e sintomas da
febre amarela

A febre amarela é uma doença
infecciosa febril aguda, transmitida somente pela picada de mosquitos. É comum
em macacos, os principais hospedeiros do vírus.

É dividida em febre amarela
silvestre ou urbana. No primeiro tipo, o vírus passa do macaco para o mosquito
e depois para o homem, em ambientes de matas e vegetações. Já a urbana ocorre
nas cidades, podendo ser transmitida pelo Aedes aegypti, mesmo transmissor
da dengue, do zika vírus e da chikungunya.

Os sintomas da doença incluem
febre alta, dores no corpo e nas articulações, náuseas e vômito. Em alguns
casos, a doença pode evoluir após um breve período de melhora. Surgem então
sintomas como icterícia (coloração amarelada da pele), hemorragia, choque e
insuficiência de múltiplos órgãos, podendo levar à morte do paciente.

Já nos primeiros sinais de
manifestação da doença, deve-se procurar ajuda médica. Não há nenhum tratamento
específico, só os sintomas são tratados. 

*Com informações da Agência
Brasília

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: