Saúde terá 1.221 novos servidores.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Ao todo, desde janeiro, já foram contratados 3.396 profissionais, que já estão à disposição da população

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, deu posse na manhã desta terça-feira a 826 novos servidores da saúde. A cerimônia ocorreu no auditório Planalto, do Centro de Convenções Ulysses Guimarães. Ainda este mês outros 395 servidores devem ser empossados. Todos os 1.221 profissionais da área foram aprovados em concurso público. Com as novas nomeações, o GDF já contratou, desde o início do ano, 3.396 profissionais, que já estão a serviço da população.
“Aqui tem um exército de homens e mulheres, com determinação, com vontade, espírito renovado, para arregaçar as mangas e ajudar a reconstruir a saúde pública do Distrito Federal”, disse o governador que se emocionou ao falar da missão dos profissionais de saúde. No início do ano, Agnelo Queiroz decretou estado de emergência na saúde, devido aos graves problemas encontrados tanto na parte física como na gestão e falta de pessoal.
Os convocados para posse nesta terça-feira foram nomeados em agosto e serão distribuídos para diversos hospitais da rede pública, em especial para o Hospital de Santa Maria. Ao todo são 659 médicos nas especialidades de cirurgia cabeça e pescoço (2), cirurgia geral (5), dermatologia (4), otorrinolaringologia (4), urologia (2), anestesiologia (44), cardiologia (10), clínica médica (60), ginecologia e obstetrícia (50), infectologia (2), nefrologia (7), neonatologia (8), neurologia (4), pediatria (60), radiologia (25) e psicólogo (19). Também tomarão posse 20 dentistas, 300 enfermeiros, sete farmacêuticos de laboratório, dez administradores e 16 fisioterapeutas.
O secretário-adjunto de Saúde do Distrito Federal, Elias Miziara, falou sobre a importância das novas contratações para o fortalecimento do sistema. “Não podemos fazer essa mudança sem vocês. Vocês serão a força motriz que realizarão as mudanças que o governador prometeu e que levarão a saúde até as últimas conseqüências”, disse.
Elias Miziara ressaltou que os novos servidores terão uma missão muito maior do que passar a fazer parte dos quadros públicos do GDF. “Vocês não estão assumindo compromisso apenas com o governo ou com vocês, mas com a população do Brasil, do Distrito Federal e do SUS (Sistema Único de Saúde)”, e concluiu: “Sejam muito bem-vindos. Vocês foram muito esperados e são muito necessários para a saúde do DF”, concluiu Miziara.
Outros 542 profissionais de nível médio também começarão a trabalhar na rede pública de saúde. São 210 auxiliares de enfermagem, 294 técnicos administrativos, 22 técnicos em nutrição e 16 técnicos em patologia clínica. A Secretaria de Saúde receberá, ainda, 20 auxiliares operacionais de serviços diversos – AOSD.
Segundo o secretário-adjunto de Saúde, 80% dos convocados vão trabalhar no Hospital Regional de Santa Maria, que passa a estar totalmente sob a tutela da Secretaria de Saúde. Antes ele era gerido por uma empresa terceirizada.
Desde janeiro, o atendimento na rede pública de saúde foi reforçado com a nomeação de 3.396 profissionais. Os hospitais públicos receberam 420 médicos em 27 especialidades. Foram admitidos profissionais nas especialidades de acupuntura, anestesiologia, cardiologia, clínica médica, cirurgia cabeça e pescoço, cirurgia geral, cirurgia plástica, cirurgia vascular, citopatologia, coloproctologia, dermatologia, endocrinologia, gastroenterologia, ginecologia e obstetrícia, hematologia e hemoterapia, infectologia, nefrologia, neonatologia, neurologia, neuropediatria, oftalmologia, ortopedia, otorrinolaringologia, pediatria, psiquiatria e radiologia.
“Agora nós vamos poder dar a resposta que a população pediu. A saúde é a grande prioridade e a nossa prioridade é dar atendimento público de qualidade e gratuito, custe o que custar”, declarou o governador, que ressaltou a persistência dos servidores da área.
Compareceram também à cerimônia os secretários de Governo, Paulo Tadeu, Administração, Vilmar Lacerda, de Turismo, Luís Otávio Neves, de Comunicação, Samanta Sallum; o chefe de Casa Militar, tenente-coronel Rogério Leão, o comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do DF, Márcio Matos; os subsecretários de Gestão da Saúde, Maria Natividade, e de Atenção à Saúde, Ivan Castelli; o consultor Jurídico do GDF, Paulo Guimarães; o deputado federal e presidente do PT-DF, Roberto Policarpo; e o deputado distrital Chico Vigilante, entre outras autoridades e diretores de regionais de saúde.

Outras ações do governo Agnelo Queiroz na área da Saúde
Em seu primeiro dia de mandato, o governador Agnelo Queiroz decretou estado de Emergência na Saúde Pública do DF. Foi instalado um Gabinete de Crise, coordenado diretamente pelo governador, que visitou mais de dez hospitais. Locais que não passavam por reformas há mais de 30 anos estão com estrutura e equipamentos novos, possibilitando um melhor atendimento à população. Entre as ações que foram feitas de forma emergencial estão:   
– Queda de 60% no número de pedidos para garantir na justiça a internação em UTIs, nos últimos sete meses.
– Ampliação em 60 leitos do número total de vagas em UTIs.
– Inauguração do Bloco Cirúrgico Auxiliar, do Pronto Socorro Obstétrico e do Núcleo de Nutrição e Dietética do Hospital Regional da Asa Norte (Hran).
– Reforma do Centro de Saúde 12, na entrequadra 208/408 Norte.
– Inauguração do Pronto Socorro do Hospital Regional de Planaltina e realocação do Centro de Saúde nº 3, também em Planaltina.
– Reforma do Centro de Saúde nº 3, no Setor Leste do Gama.
– Ampliação da frota com mais 30 ambulâncias para a Rede Pública Hospitalar, todas com padrão de excelência. Elas são destinadas à remoção de pacientes para exames, internação e transferências, e, no caso de alta hospitalar, transportarão pessoas com impossibilidade de locomoção para suas casas.
– Aquisição de equipamentos de tomografia e densitometria óssea para o Hospital Regional da Asa Sul. Os aparelhos são utilizados para exames de recém-nascidos prematuros e portadores de malformações congênitas e para exames em mulheres com câncer. Até então, os pacientes que precisavam fazer tomografia eram encaminhados para outros hospitais.
 – Depois de anos de espera, a Abrace (Associação Brasileira de Assistência às Famílias de Crianças Portadoras de Câncer e Hemopatias) recebeu do governador Agnelo Queiroz a assinatura do contrato de gestão compartilhada do Hospital da Criança José Alencar.
– Início das obras de duas Clínicas da Família (também conhecidas como Unidades Básicas de Saúde – UBS). Cada clínica abrigará três equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF), composta por um médico, um enfermeiro, um dentista, dois técnicos de enfermagem e cinco agentes comunitários de saúde.
– Lançamento de edital para o maior pregão eletrônico já realizado no Brasil para compra de 700 itens para a Saúde a partir da nova central de compras.
– Mutirão Nacional de Cirurgia da Criança, no Hospital Regional da Asa Sul – Hras. Foram operadas 100 crianças com mais de um ano de idade, portadoras de hérnia inguinal.
– Mutirão de cirurgias de mama, com 57 reconstruções mamárias, número que representa o total realizado, em média, em dois anos. Muitas mulheres estavam na fila de espera há mais de dez anos. Também foram realizados mutirões para cirurgias de varizes; cataratas e pediátricas.
– Entrega da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Samambaia, em fevereiro, que superou a expectativa de atendimento em mais de 14%.
– Autorização para que médicos e enfermeiros efetivos interessados em trabalhar nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) possam optar pela jornada de trabalho de 40 horas semanais.
– Reabertura do Centro Cirúrgico do Hospital Regional de Ceilândia.
– Ampliação do horário de atendimento de alguns Centros de Saúde, das 7h às 22h.
– Acréscimo de mais de um turno de cirurgias no Hospital de Base.
– Inauguração de Centro de Trauma no Hospital de Base.
– Aprovação na Câmara Legislativa do Pacote da Saúde, que permite a contratação, por meio de concurso público, de mais de 11,7 mil profissionais nos próximos três anos.
– Realização de três cirurgias complexas de transplante de coração com sucesso pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Esse número equivale ao total de procedimentos desse tipo realizados no ano passado inteiro.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: