Segundo Pesquisa, comércio é principal atividade moradores de Ceilândia

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Criada em 1971, Ceilândia ocupa área de 29,10 quilômetros quadrados, abriga 489.351 pessoas e fica a 26 quilômetros do Plano Piloto. Segundo a Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios, 64% moram na região administrativa há mais de 15 anos, 60,09% dos trabalhadores têm carteira assinada, mas apenas 44,94% da população exerce alguma atividade remunerada. O estudo foi apresentado nesta terça-feira (19), pela Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), na sede do órgão (Setor de Administração Municipal).


O comércio é a atividade predominante na região administrativa, na qual atuam 32,6% dos moradores, seguido por serviços gerais (21,69%). A renda per capita é de R$ 915,81 — R$ 992,44 em Ceilândia tradicional (engloba toda a região administrativa, exceto Pôr do Sol e Sol Nascente) e R$ 622,30 no Pôr do Sol e no Sol Nascente. São autônomos 22,81% dos moradores com atividades remuneradas, porém há poucos empregadores (1,14%).


A renda domiciliar média é de R$ 3.076. Exatos 42,65% recebem de dois a cinco salários mínimos; 21,62%, de um a dois; e 16,68%, de cinco a dez. Menos de 1% dos moradores ganha mais de 20 salários mínimos, e 12,87%, até um.


Do total de trabalhadores, 37,33% atuam em Ceilândia; 28,13%, no Plano Piloto; 10,26%, em Taguatinga. Já nos Condomínios Pôr do Sol e Sol Nascente, 46,54% trabalham na própria região administrativa; 17,10%, no Plano Piloto; e 11,72%, em Taguatinga. “Pessoas de menor escolaridade tendem a trabalhar na própria região administrativa, e isso ocorre tanto em Ceilândia tradicional quanto no Pôr do Sol e no Sol Nascente”, destaca o diretor de Estudos e Pesquisas Socioeconômicas da Codeplan, Bruno de Oliveira Cruz.


Quanto ao meio de transporte, 48,61% utilizam ônibus para ir ao trabalho; 23,96%, veículo próprio; e 10,89% vão a pé. Entre os moradores, 69,70% têm residência própria, 23,26% pagam aluguel e 7,04% estão em moradias cedidas. Em Ceilândia tradicional, 86,18% da população tem escritura definitiva do imóvel em que vive. No Pôr do Sol e no Sol Nascente, 95,41% têm contrato de compra e venda.


Idade

A faixa etária de 25 a 59 anos representa 46% dos residentes. Pessoas acima de 60 anos somam 16,90%, e até os 14 anos, 20,80%. Considerando apenas os moradores dos condomínios Pôr do Sol e Sol Nascente, o porcentual de crianças aumenta para 27,84%, e o de idoso diminui para 5,69%. Na região administrativa, 57,94% declaram-se católicos, e 36,05%, evangélicos.


Dos quase 490 mil moradores, 51,67% nasceram no Distrito Federal. A maioria dos que se mudaram para a região vindos de outras unidades da Federação é do Nordeste (68,40%). Chegaram do Piauí 14,61%; da Bahia, 12,51%; e do Maranhão, 11,97%. No Pôr do Sol e no Sol Nascente, 51,86% são naturais de Brasília.


Instrução

De acordo com a pesquisa, 72,12% das pessoas que moram em Ceilândia não estudam, 23,47% estão em escolas públicas e 4,41%, em particulares. Dos que estudam, 35,96% têm nível fundamental incompleto; 23,94%, médio completo; e 6,02%, superior (incluindo especialização, mestrado e doutorado). Há, ainda, 17.510 pessoas acima de 15 anos sem alfabetização. Dos alunos moradores de Ceilândia, 84,50% frequentam escolas na região; 9,40%, em Taguatinga; e 2,86%, no Plano Piloto.


O acesso à internet pelo celular é realidade para 18,35% da população local e, pelo computador de casa, para 45,35%. Não acessam a rede mundial de computadores 34,73% dos moradores. Em Ceilândia, 61,89% dos domicílios ocupados têm internet, e 44,82%, TV por assinatura. Dos responsáveis pelos domicílios, 71,72% são homens. Do total, 44,84% estão na faixa etária com mais de 55 anos.


Infraestrutura

No levantamento, os problemas mais citados pelos moradores foram ruas esburacadas (48,14%) e presença de entulho (22,63%). Quase toda a região tem abastecimento de água (98,38%), de luz (98,28%) e é atendida pela rede de esgoto (80,96%). A coleta de lixo ocorre em 85,33% do território ocupado por Ceilândia.


O estudo também mostra que 53,95% dos domicílios têm acesso fácil a um ponto de encontro comunitário (PEC), 41,79% a ciclovias e 17,92% contam com ruas arborizadas nas proximidades.


A pesquisa foi feita de maio a setembro do ano passado com amostra de 2.100 domicílios e é a 13ª Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios de 2015 divulgada pela Codeplan. Participaram da divulgação o diretor de Estudos Urbanos e Ambientais da companhia, Aldo Paviani, e o administrador regional de Ceilândia, Vilson José de Oliveira.


Acesse a íntegra da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios 2015 de Ceilândia.


Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: