Vem aí o escândalo dos cones.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Nenhum país do mundo, nem mesmo os Estados Unidos (nem mesmo a China), tem uma população de cones maior do que Brasília. Peço o depoimento de quem viaja muito, como o casal Cleide e Mancasz, Márcia Lima, João Leal, Irineu Tamanine, etc.
Nossa cidade amanheceu hoje, dia 31, totalmente invadida por esses seres meio avermelhados que surgem do nada.

Quando apurarem direito a compra de cones no DF, explodirá um escândalo maior do que os computadores do famigerado Arruda, maior do que o “Cartel do Metrô”, maior até do que as capas de chuva da PM.
Já lancei aqui a campanha “leve o seu cone para casa”. Mesmo assim, essa população estática só faz crescer. Ainda vou descobrir quem é o dono da fábrica que vende os monstrinhos.
A propósito, hoje surgiu o “irmão” do cone, em diversos pontos da cidade, bem maior, meio assustador, com formato de enorme parafuso de cabeça para baixo. Esse tipo antipático deve ser bem mais caro.
AGORA, UM POUCO DE RISO
Para quebrar o clima de protesto, conto uma historinha real.
Há algumas semanas, tentei estacionar meu carro de ré numa área pública. De repente, do meu lado direito surgiu um flanelinha com as duas mãos na cabeça, que berrou: “Epa! Matou o cidadão”.
O pior é que ouvi mesmo um crash, parecendo a perna do Anderson Silva estalando para o mundo. Saltei apavorado do carro e vi, penalizado, o massacre de um cone. O pobre coitado estava dobrado, mais inerte do que nunca, plenamente atropelado.
Em vez de brigar com o flanelinha pelo susto, dei muita risada. Fui embora dizendo a ele: “Você não viu nada, viu!”
Diante disso, mudo a campanha e pergunto: você já matou o seu cone hoje?
Blog do Riella.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: