Candidatos a prefeito pelo PSD lideram em Luziânia, Cidade Ocidental, Cristalina e Formosa, no Entorno

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Se as eleições municipais fossem hoje Cristóvão Tormin (PSD) seria
prefeito de Luziânia, a maior cidade do Entorno do Distrito Federa
l

WILSON SILVESTRE

Para o Jornal Opção
GOIÂNIA, 24 de abril de 2012 – Se a eleição para prefeito fosse hoje, o PSD estaria no comando de quatro importantes municípios do Entorno, com Luiz Carlos Attié em Cristalina; Cristóvão Tormin em Luziânia; Alex Batista na Cidade Ocidental; e Itamar Barreto em Formosa – nomes que podem consolidar a força do PSD no Entorno do Distrito Federal na eleição municipal de outubro.
Com uma população estimada em 370 mil habitantes e 227.614 mil eleitores habilitados a votar, é natural que a disputa nessas cidades atraia as atenções, tantos de eleitores quanto dos pré-candidatos a prefeitos e vereadores. Em Luziânia, o quadro, salvo maiores mudanças, está definido tendo o deputado estadual Cristóvão Tormin (PSD) à frente de um grupo de oposição ao atual prefeito, Célio Silveira (PSDB), liderando as pesquisas de intenção de votos. A última tacada de Cristóvão foi a conquista do apoio do PT, liderado pelo radialista e líder da legenda no município, Didi Viana.
Depois de uma longa negociação, em que a tendência natural seria uma aliança com o PMDB de Marcelo Melo, já que em Goiânia a dobradinha entre as duas legendas vem dando certo, em Luziânia literalmente melou. O peso da família Melo terminou por levar Marcelo a construir uma aliança com Célio Silveira, que tem como vice-prefeito, Eliseu Melo, até há um mês pré-candidato à cadeira de prefeito. Ele desistiu quando percebeu que os eleitores não se animavam com seu nome. Célio buscou construir uma terceira via, mas não encontrou ninguém à altura de desbancar Cristóvão da liderança. Como Marcelo Melo e Didi Viana tinham um acordo informal para disputarem a prefeitura juntos, mas sem fechar acordo com a cúpula dos dois partidos, Célio, amigo e aliado do empresário Júnior do Friboi (PSB), aproveitou a chance de o PT não ter fechado o acordo formalmente com Marcelo Melo e o convenceu a juntarem forças, com aval de Friboi. No acordo, Marcelo é o cabeça de chapa e o PSDB indica o vice.
Foi um deus-nos-acuda nas hostes tucana, mas conforme especulações, Célio fechou o acordo com a ciência do governador Marconi Perillo (PSDB). A notícia foi a gota d’água para transbordar a desconfiança dos petistas que esperavam fechar com Marcelo Melo. A decepção foi tamanha que, na reunião do diretório municipal do PT luzianiense, mais de 75% votaram a favor de Cristóvão.
Somando ao favoritismo do PSD de Luziânia se encontra o município de Cristalina, administrado pelo pessedista Luiz Carlos Attié. Embora não seja um dos mais populosos ou com um grande números de eleitores (28.559), contrapõe em peso econômico, já que Cristalina abriga o maior número de pivôs de agricultura irrigada da América Latina e fábricas voltadas para a agroindústria. “Somos um município em grande expansão de desenvolvimento econômico, social e com uma das melhores distribuição de renda por conta do grande número de empregos gerados pela agroindústria”, comemora Attié. Embora ele não comente sobre reeleição, pesquisas internas feitas para monitoramento administrativo da gestão apontam Attié como favorito à reeleição.
“Os adversários tentam de todas as formas dimimuir o trabalho do prefeito, no entanto, pesquisas contradizem os adversários. “Quem esteve em Cristalina há quatros anos e volta à cidade agora percebe a diferença no comércio, na agitação das pessoas nas ruas e na qualidade de vida”, compara um ex-vereador e antigo morador do município.
Além da qualidade de vida e da geração de empregos, Cristalina tem o maior PIB agropecuário do Estado, com renda per capita de R$ 16.017, conforme dados da Segplan. Esta importância econômica leva a marca da gestão PSD e pode ser o ponto de convergência política em 2014. “Nós temos um patrimônio turístico fantástico e ainda pouco divulgado, mas com a proximidade de Brasília e a realização da Copa do Mundo em 2014, Cristalina será contemplada com verbas do PAC do Entorno, voltadas principalmente para o turismo”, acredita Attié.
Cidade Ocidental, vizinho do Distrito Federal, é outro município onde o PSD tem grandes chances de reeleger o prefeito. Embora a disputa esteja polarizada entre Alex Batista e Gisele Araújo (PTB), pesquisas apontam uma boa dianteira do pessedista Alex. “Somos um município com muitas carências que não difere da maioria do Entorno, mas o povo já percebeu que nossa gestão é que mais conquistou melhorias de infraestrutura, geração de empregos e qualidade de vida”, resume o prefeito. Os 47.537 habitantes de Cidade Ocidental (IBGE-2011) e seus 32.295 eleitores, “mantêm uma grande confiança no nosso trabalho”, Alex tem dito em suas reuniões políticas com lideranças de sua base. Afirma que está mais preparado e com pleno domínio da máquina pública, principalmente na captação de recursos para áreas de infraestrutura, educação, saúde e segurança pública.
 No outro extremo do Entorno encontra-se Formosa, porta de entrada da região nordeste de Goiás com seus quase 100 mil habitantes e 64.162 eleitores. Neste estratégico município, o PSD também aposta as fichas políticas em Itamar Barreto, líder nas pesquisas. Os demais candidatos, o ex-secretário de Segurança Pública de Goiás Ernesto Roller (PMDB) e o prefeito Pedro Ivo (PP) continuam longe de Itamar. Analistas avaliam que Pedro Ivo tem poucas chances e que a disputa vai afunilar entre Roller e Itamar.
Prevalecendo esse quadro, o PSD desbanca a força do PSDB no Entorno, restando somente os municípios de Valparaíso, atualmente comandado por Lêda Borges, candidata à reeleição e com chance razoável de vitória, e em Novo Gama, caso a deputada estadual Sônia Chaves convença o atual prefeito tucano, José Pacífico, o Doka, a desistir da reeleição. Sônia lidera as pesquisas para suceder Doka, que amarga um alto índice de rejeição, mas insiste em manter-se na cadeira de prefeito. Removendo este entrave, Sônia tem uma boa chance de ganhar a eleição. Como o PSD é base do governo Marconi Perillo, tudo fica em casa.
CORRIDA PARA BUSCAR O VICE IDEAL – A questão da vaga de vice-prefeito nem sempre é uma escolha pacífica: todos se acham habilitados a ocupá-la, não importa o tamanho da legenda ou o número de candidatos a vereadores que tem. Esta negociação torna-se crucial para qualquer candidato, principalmente na hora de fechar alianças.
No caso de Luziânia, parece que essa aflição foi resolvida com relativa facilidade pelos dois principais concorrentes. Do lado de Cristóvão, tudo indica que será mesmo Didi Viana o nome natural para a vaga. Do lado de Marcelo Melo, ficou acertado com Célio Silveira que o PSDB indicaria o vice. Especulações apontam que o mais forte candidato ao posto é o atual presidente da Agência Goiana de Desenvolvimento Regional (AGDR), Gastão de Araújo Leite, fiel escudeiro de Célio.
Luiz Carlos Attié ainda não colocou na pauta de discussão qualquer referência sobre nomes ou partido. “Vamos primeiro ouvir todos os nossos aliados e, a partir de um consenso, extrair um nome. Mas reafirmo: ainda é cedo”, desconversa.
Tanto Itamar Barreto como Alex Batista ainda não cogitaram nomes. Ambos alegam que é muito cedo para colocar em discussão nomes ou partido. O importante, afirmam, é manter as conversas com os aliados e só depois de selar as alianças buscar nome de consenso. Como bem lembrou Attié: “Todo candidato ao executivo, municipal, estadual ou federal, querem um vice ideal, que não crie problemas para a gestão”.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: